Início
Textos de Francisco George
Memórias da Vida
Campo de Ourique
Maria João George
Maria Isabel George
Carlos H. George
Carlos H. George 100 anos
Os Gémeos George
João Simões
A Foto de Família
Albert George
Emma George
Charles George
Três Franciscos
Avelino Cunhal
Arnaldo Sampaio
Francisco Cambournac
A Minha Tia com 111 anos
Memórias de África
Memórias da Política
Galeria
Contactar-me
   
 

Maria João George (1948-2006)

Maria João GeorgeEm Inglaterra, no comboio a caminho de Cambridge, no Verão de 1964, conheci Maria João. Era época de Salazar, da repressão, da censura, de Caxias e Peniche, da guerra colonial, dos movimentos estudantis contra o regime, mas, também, da emergência de nova cultura jovem, da pílula que mudou para sempre a vida das mulheres. Era época do mundo dividido em dois blocos, mas, também, da China de Mao e, ainda, de Cuba de Fidel e da guerrilha do Che. Era tempo dos livros e dos filmes franceses e, também, de Maio de 68 de Daniel Cohn-Bendit e Charles De Gaulle. A música era dos Beatles. A conquista do espaço teria o auge em 1969 com a alunagem e com os inesquecíveis primeiros passos de Neil Armstrong a 20 de Julho. Eram os anos 60.

A afinidade intelectual era imensa entre nós. Visível a partir desses momentos iniciais sentados na carruagem em frente um do outro. Cambridge marca a nossa ligação. Os primeiros beijos no sótão. A mistura recíproca de sentimentos e afectos que nunca nos separaram. Os passeios pelos longos relvados verdes, nas barcaças do rio ou, ainda, de bicicleta pelos parques. Os projectos eram já equacionados. Futuros encontros, uma vez regressados, eram projectados. A intimidade a crescer.

Em 1966 entramos na Universidade. Arquitectura e Medicina. Afinal, a exemplo dos pais de cada um de nós. Estamos no funeral de Avelino Cunhal. Juntos, também, em Aveiro nos congressos da Oposição, a fugir às bastonadas do Capitão Maltês. Em 1969 não acreditamos na Primavera de Marcelo. Apoiamos a Resistência. Activos em células do Partido. Nas Associações de Estudantes, no Cine Clube ou na Livrelco e depois, na cooperativa Devir. Também na CDE de Jorge Sampaio.

Casamos em 1970. Temos o Gonçalo dois anos depois e a Catarina em 21 de Março de 1974. Explosão da imensa alegria em Abril. A Alexandra só vem em 1980.

Maria João encantava-se com os ambientes à sua volta. Primeiro na Cuba de Bertolina e do José Duarte Sales e depois em Beja vivemos tempos de grande alegria e tranquilidade. Apoiados pelos amigos Isabel e José Reina, Covas Lima, Jorge Campos, Lina e Pedro Borges, Conceição e Luís Miranda e, ainda, entre outros, Alice e Mestre. Colaço e Carreira Marques ocuparam as principais esperanças em Beja para a Maria João, preocupada com o planeamento urbano da cidade.

O fantástico período de África começa nas terras de Amílcar em Outubro de 1980. Descobrimos a cooperação internacional nesta antiga colónia. Na altura era tudo muito difícil. Dificuldades atenuadas pelo entusiasmo. Mas, também, pela beleza dos guineenses e pelos verdes de múltiplas tonalidades. Árvores de mangas povoadas por ninhos de morcegos cobriam a nossa casa. À frescura que originavam associava-se o ruído dos morcegos a disputarem os frutos. Mais longe, no mato, as originais cores dos cajueiros acentuavam a formosura da paisagem.

Em Bissau os constantes e inesperados cortes de energia eléctrica eram a preocupação de todos os dias, mas também a falta de pão e de batatas. A música era contagiante. Os Mama Djombu cantavam a história dos guerrilheiros que, depois de instalados nos gabinetes ministeriais, mudavam de mulher. As companheiras da Luta eram, então, substituídas por mulheres vistosas. O antigo combatente transforma-se em homem de Estado. O novo País Libertado enfrentava um novo combate.

Ainda em 1980, a 14 de Novembro, a deposição de Luís Cabral por Nino Vieira. Cinco dias depois, na antiga Praça do Império, sentia-se a alegria popular. Uma espécie de comício e de festa para assinalar, de novo, a esperança do Povo. Lembrava o nosso primeiro 1 de Maio.

Em breve a emergência de um novo fenómeno concentrou a atenção. Refiro-me à SIDA. Foi preciso verificar como se transmitia e descobrir que era uma doença evitável.

A eleição de Jorge Sampaio para a liderança do Partido Socialista alterou as preferências partidárias. A caminho do Senegal, em banda curta, nos postos de fronteira com a Gambia, íamos sabendo notícias da queda do Muro. A seguir foi Harare, no Zimbabwe. Dois anos antes do regresso a Beja. A casa da Rua dos Infantes aprautada.

Maria João gostava muito de Beja. Adoptou-a. Teve uma filha em Beja, cidade onde arranjou a nossa casa de referência. A casa da Família era na Rua dos Infantes. Observava a Cidade à lupa. Preocupava-se com tudo o que dizia respeito à gestão dos espaços urbanos, mas, também, ao desenvolvimento humano. Desenhava os arranjos que considerava úteis para a cidade. Tinha sempre muitas opiniões e ideias. As portas, as janelas, as aldrabas, as fachadas, as platibandas, as cores dos barrões, tudo a interessava. Recebeu o Prémio Municipal “Espiga de Ouro” pela recuperação do prédio da Rua do Touro.

Tinha especial interesse pela arquitectura popular. Pela construção tradicional Uma espécie de fascínio pelo que a taipa conseguia fazer. Não criticava por criticar. Assumia responsabilidades pelo que dizia e fazia. Gostava de comunicar as suas posições, sobretudo em audiências vivas, a falar quer em público quer em ambientes privados. Escrevia muito. Registava tudo.

Gostava, igualmente, de fazer crónicas para o Diário do Alentejo. Eu invejava a facilidade com que escrevia. Era rápida e perfeita. Eu ajudava simplesmente na revisão final dos textos. Podava alguns parágrafos, a seu pedido. Limava algumas palavras.

Como acima sublinhei, Maria João encantava-se com o mundo exterior. Urbano ou rural. Descrevia e retratava em pequenos desenhos o que mais a interessava. Olhava pormenores que outros não reparavam. Reagia sempre para cima. Não conhecia o desânimo. Preferia ir em frente, empurrar e puxar por outros. Cultivava a simpatia. Ouvia todos. Sorria para todos.

Na EDIA dedicou-se à reinstalação da Aldeia da Luz. Estudou e percebeu o Guadiana para poder coordenar o projecto da imensa albufeira que a barragem passaria a exigir. Coordenou, com êxito, o projecto que visava a recomposição do quadro físico com manutenção das relações sociais. Continuou a projectar ideias para cada ponto do regolfo.

A 21 de Março de 2006 um despiste de automóvel no ponto que afunila a estrada de Beja para Lisboa, antes de chegar ao Sado, tirou as vidas a Maria João e a Catarina que nesse dia completava 32 anos de idade.

A love like ours never dies foi a inscrição, inspirada numa famosa canção dos Beatles, que pedi ao canteiro para gravar no mármore branco da campa do cemitério inglês de Lisboa onde estão Maria João e Catarina.

As muitas manifestações de solidariedade que nesses dias e depois eu e os meus filhos recebemos foram decisivas para continuarmos.

Francisco George